Ações Afirmativas e o covid-19: desafios da permanência e produção de conhecimento na pandemia

25/11/2020 19:20

Começou hoje o III Seminário de Ações Afirmativas do Programa de Antropologia Social da UFSC. O PPGAS foi o primeiro programa a aderir à política de ações afirmativas na Universidade e, nos últimos anos, tem promovido seminários para discussão e avanço dessa política.

Amanhã (26), às 15h30, a APG UFSC participa de uma das mesas, com o tema “A importância da consolidação das Ações Afirmativas na Pós-Graduação da UFSC”.

Convidamos toda a comunidade a acompanhar os debates fundamentais que estão acontecendo!
https://afirmativas.wixsite.com/eventoacppgasufsc

Tags: ações afirmativasPPGAS

Assembleia Estudantil: Eleições da APG (23/11, 18h)

22/11/2020 17:06

O prazo para o qual a gestão Assum Preto foi eleita, ano passado, está chegando ao fim. No final de outubro, já fizemos uma reunião aberta em que discutimos a possibilidade de estender a gestão até o ano que vem, considerando a situação da pandemia e a dificuldade de realizar eleições neste momento.

O espaço para decidir é na Assembleia, onde todas e todos podem participar, oferecer suas propostas e decidirmos juntas. Ela vai acontecer amanhã (23), às 18h, de forma remota, e pode ser acessada aqui:

 

Tags: assembleiaeleiçõesProcesso eleitoral da APG

Como estão as bolsas no seu programa?

18/11/2020 19:15

Olá, Pos-Graduando/a!

Com a intensificação dos cortes nas bolsas nos últimos anos e as mudanças nas políticas para ofertá-las por parte das agências de fomento, muitos estudantes estão ingressando em programas de pós-graduação com escassas bolsas, onde precisam se colocar em uma situação de concorrência com seus colegas e até mesmo correr o risco de passar todo seu período de formação como pesquisador/a sem nenhuma fonte de financiamento do seu trabalho.

A APG entende que o primeiro passo para podermos enfrentar essa questão central na vida de todo pós-graduando/a é um diagnóstico da situação das bolsas nos programas da UFSC hoje. Infelizmente essas informações não se encontram disponíveis de forma centralizadas na Pró-Reitoria de Pós-Graduação, assim como os programas são inúmeros e não temos como realizar este levantamento sem a contribuição dos colegas que fazem parte do seu corpo.

Por isso, contamos com a colaboração de todas e todos, principalmente das representações discentes, para que repassem as informações que possuem, ou que possam buscar junto às secretarias, sobre as bolsas em seus programas. Sua contribuição é muito importante para que esse diagnóstico seja o mais completo possível!

Acesso o formulário para repassar essas informações.

Vamos juntes! Financiamento da pesquisa é uma questão crucial para o desenvolvimento científico na universidade pública!

Como começou isso do Ensino Remoto na UFSC?

13/11/2020 19:59

A UFSC decidiu que não irá fazer nenhuma atividade presencial até 22 de maio de 2021, o que indica para nós a escolha da reitoria em permanecer por mais tempo do que o esperado com o ER. Nós sentimos necessidade de avaliar e debater o que tudo isso significa. Mas….

Como começou isso do Ensino Remoto na UFSC?

Em março de 2020, tivemos a suspensão das atividades presenciais na UFSC por conta da pandemia de COVID-19, segundo portarias emitidas pelo Gabinete da Reitoria (nº 352/2020/GR e nº 353/2020/GR). A UFSC ficou vazia de repente, na cidade só podia se andar de máscara e demoramos muito tempo para compreender como ficariam as nossas atividades em sala de aula ou nossas pesquisas. Demora que foi atenuada pela falta de respostas e diálogo por parte da Reitoria da UFSC, que por mais que tenha acertado na suspensão das atividades presenciais, errou na ausência, logo de início, de espaços de discussão entre todas as categorias de nossa comunidade. Afinal, o destino de uma Universidade Pública em um momento de pandemia precisa ser decidido por aqueles que se preocupam com a produção crítica de conhecimento, e não por setores ligados aos capitais.

Foram semanas de cobrança por uma sessão do Conselho Universitário (CUn), instância ainda longe de ser uma representação da democracia participativa dentro de nossa universidade, mas um dos únicos espaços colegiados com a presença de todas as categorias e capaz de decidir na presença de opiniões divergentes àquela da administração central, mesmo que em proporção minoritária no caso de estudantes e servidores técnicos.

Em maio se constituiu o Comitê de Combate à Pandemia de COVID-19 na UFSC, por meio da Portaria Nº 360/2020/GR, articulado através de um Comitê Assessor e subcomitês Acadêmico, de Assistência Estudantil, Científico, de Comunicação e de Infraestrutura. A APG esteve presente no Comitê Assessor, no Subcomitê Acadêmico e também no comitê que centralizava os debates – inicialmente sem representação das entidades de classe (APG, DCE e SINTUFSC). Mais um momento de indisposição em abrir às decisões à comunidade, em que apenas a mobilização das categorias reverteu a formação inicial restrita do Comitê, assim como a inicial ausência de centros como CED e CFH nos subcomitês criados.

O trabalho dos subcomitês, assim como a pauta de debates dentro do movimento estudantil e sindical, foi traçado em torno do retorno ou não das atividades de ensino por via remota, proposta à qual a APG UFSC sempre se colocou contrária. A Câmara de Pós-Graduação (CPG) tentou, inclusive, se aproveitar do tempo de discussão na comunidade, para passar a boiada do ensino remoto e enfiar na goela de estudantes de pós um ensino remoto sem o menor debate nos programas. A adesão ao ensino remoto só foi formalizada em 21 de julho, após mais de 20h de sessão do CUn e uma votação pra lá de secreta no início da aprovação da Resolução 140/2020. Sem que a votação simbólica costumeira das reuniões presenciais, em que é possível acompanhar a manifestação do voto de cada conselheira ou conselheiro, grande parte dos professores se aproveitaram da tranquilidade do anonimato e votaram contra os interesses de estudantes, sobretudo das pobres e periféricas, culminando em uma resolução excludente.

Desde julho, vivemos um semestre remoto, balizado pela Resolução nº 140 e todo seu histórico de construção. Estamos vivendo a materialidade das escolhas feitas nesse processo de debate e implementação do ensino remoto. Vimos a autonomia dos programas que escolheram não oferecer as disciplinas obrigatórias, PPGE e PPGECT através de seus colegiados, serem desrespeitadas e no caso do PPGECT invalidadas pela CPG após recurso vergonhoso protocolado pelo Professor Carlos Alberto Marques, o Bebeto. Já vimos também demonstrações do avanço das grandes corporações e do setor vinculado a essas tecnologias, principalmente no enraizamento dessa modalidade com um legado que ficará dessa experiência, como discutimos no texto anterior. Olhar para essa história recente nos dá uma amostra das lutas que enfrentaremos nos próximos tempos, especialmente após as portarias da reitoria indicando que não haverá retorno presencial antes de maio do ano que vem. Essa história também nos mostra que precisamos nos preparar para essas batalhas, visto que essa conjuntura nos apresentou um inimigo antigo e muito bem articulado dentro da UFSC.

Convidamos todas e todos para discutir, a partir de todo esse histórico, como está sendo a experiência de nós, pós-graduandas e pós-graduandos, com o ensino remoto. Nosso encontro será no dia 17 de novembro às 19h, no link que logo estará disponível para todas. Perde não, porque precisamos juntas e juntos avaliar o momento que estamos vivendo e nos organizar para o que ainda virá!

Ensino Remoto: experiência ou legado?

07/11/2020 13:56

Diversos estudos críticos vinham sendo produzidos na área da educação apresentando elementos substantivos acerca das problemáticas que rondam o Ensino Remoto (ER), sobretudo em universidades públicas. Nas discussões que subsidiaram o retorno das atividades nesta modalidade, o argumento que tornou tragável tal modelo baseou-se na concepção falaciosa de que trataria-se de um modelo emergencial, que teria surgido apenas para tratar das necessidades que momento excepcional como este exigiria.

Entretanto, desde o início das atividades de ensino, temos assistido tanto nos cursos de graduação como nos programas de pós-graduação, efeitos que parecem transformar essa experiência em legado. Currículos e disciplinas têm sido totalmente transpostas à modalidade remota, aulas estão aos poucos sendo substituídas por vídeos gravados, encontros síncronos são gravados para aqueles que não têm condições de estarem presentes, mesmo que não se saiba os motivos para que muitos não possam comparecer.

Em 22 de outubro, duas portarias foram publicadas no Diário Oficial da União dando um passo adiante no projeto dos capitais e do Estado para a educação, tornando mais concreta a ideia de uma permanência do Ensino a Distância (EaD) nas instituições de ensino superior. Se havia qualquer dúvida sobre a preservação do ER nas universidades públicas  após o controle dos efeitos da pandemia, as normativas de nº 433 e  nº 434 evidenciam a persistência de tal modelo. A primeira delas institui o Comitê de Orientação Estratégica para elaboração de iniciativas de promoção à expansão da Educação a Distância em Universidades Federais, com vistas a desenvolver o Plano de Expansão da Educação Superior por meio digital. Já a segunda, institui um Grupo de Trabalho cuja finalidade é pautar a discussão sobre a elaboração de estratégias de Educação a Distância (EaD) no Ensino Superior.

A incorporação natural deste modelo nas Universidades Públicas significa uma catástrofe em múltiplos sentidos. No tocante à pós-graduação, a Associação de Pós-Graduandos da UFSC (APG-UFSC) levanta uma série de questionamentos. O que significa para a pesquisa brasileira a permanência deste modelo na pós-graduação? Quais  condições teriam os pesquisadores de avançar na produção de conhecimento nas diversas áreas se condicionados ao ensino remoto, ou ainda, híbrido? Quais os impactos para toda a sociedade se efetiva-se essa perda na qualidade da produção científica, artística e filosófica?

Com essas questões em vista, a APG-UFSC realizará um encontro para avaliação do Ensino Remoto na Pós-Graduação em novembro. Até lá, iremos postar diversos textos para debater essa temática que tem atravessado o dia-a-dia de todos (as) nós. Acompanhe em nossas páginas!

O evento será realizado no dia 17 de novembro às 19h.

E aí, como tá esse Ensino Remoto?

01/11/2020 13:49

Há oito semanas retomamos as aulas na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), na graduação e na pós-graduação, na modalidade que vem sendo denominada como “Ensino Remoto”. A necessidade de realizar isolamento social, somada às demandas dos grandes capitais e do Estado, pressionaram pelo retorno das atividades desta forma.

Na pós-graduação, estamos fechando o primeiro semestre em Ensino Remoto da história dos nossos programas. Nunca antes as aulas foram oferecidas por videoconferência e nossas pesquisas feitas nesse modelo. E aí, você acha que tá funcionando? Tá rolando acompanhar as aulas pela internet? Como está sendo a relação com docentes nesse momento? É possível fazer debates em aula em meio a tantos “vocês tão conseguindo me escutar”? Rolou evasão e desistências no seu programa?

A Associação de Pós-Graduandas e Pós-Graduandos (APG) da UFSC convida todas e todos estudantes da Pós-Graduação da UFSC para avaliar esse semestre de Ensino Remoto no dia 17 de novembro (terça-feira) às 19h. A proposta é uma avaliação da nossa categoria, buscando dividir experiências de como essa modalidade tem afetado nossa formação, nosso psicológico, nossas colegas de turma e nosso corpo, que tem passado várias horas em frente ao computador sem muitas vezes ter sequer uma cadeira adequada. Além disso, é necessário que a gente discuta também como o Ensino Remoto afeta a educação que queremos, que projeto é gestado por essa modalidade e quem tem sido deixado para trás.

Nosso encontro será online com link divulgado mais próximo da data. Até lá, iremos postar diversos textos, um por semana, com contribuições da APG sobre essa temática que tem atravessado o dia-a-dia de toda a pós-graduação. Acompanhe em nossas páginas!

Então não se esqueça, DIA 17 DE NOVEMBRO ÀS 19H!

Reunião da APG: Orçamento 2021 para as universidades

27/10/2020 10:37

Estão convidados/as para a reunião ordinária da APG-UFSC todos/as os/as pós-graduandos/as que tenham interesse em se aproximar da sua entidade e/ou discutir pontualmente alguma pauta da semana.
Pauta única: Orçamento 2021 para as Universidades.

Fazemos uma gestão aberta com base no nosso programa de chapa. IMPORTANTE: Por questões de segurança, só poderão permanecer na reunião pessoas que se identifiquem (nome completo e programa de pós-graduação), preferencialmente abrindo a câmera e o microfone no momento da identificação.

Pedimos que o link da reunião não seja compartilhado com terceiros.

Colega pós-graduando e pós-graduanda, vem com a gente construir nossa entidade de luta!

Reunião sobre o fim da gestão 2019-2020 “Assum Preto” e eleições da APG

18/10/2020 21:44

Em tempos “normais”, a gestão Assum Preto, eleita no dia 28 de novembro do ano passado (2019), estaria começando a se mobilizar para organizar o processo eleitoral. Mas não vivemos tempos normais e nem nos aproximamos de um “novo normal”.

A pandemia nos impõe uma série de problemas. No que tange à atual gestão, algumas dificuldades também aparecem. Como exemplo, no caso de uma chamada para eleições, estariam prejudicados tanto o processo de formação de chapas quanto o próprio processo eleitoral (presencial, no caso de haver mais de uma chapa).

Assim, seguindo o exemplo de diferentes entidades estudantis na UFSC e alhures, estamos considerando propor à Assembleia Geral Discente da Pós-Graduação uma extensão do mandato da atual gestão. Antes, no entanto, queremos dialogar com nossa base para entender as alternativas e caminhos possíveis enquanto um rumo para nossa entidade em tempos tão difíceis.

Na nossa próxima reunião – no dia 21/10, quarta-feira, às 19:00 – discutiremos a possibilidade dessa proposta e suas implicações. Assim como as nossas demais reuniões, esta é aberta. Venha participar e colaborar com nossas reflexões sobre o tema!

Clique aqui para acessar a reunião.

Live APGs Sul: o fomento à pesquisa no Brasil

21/09/2020 22:04


Pra onde vai o dinheiro da Educação? Enquanto recebemos migalhas para a pesquisa no Brasil (e ainda assim, brigamos entre nós mesmos por elas) o rentismo vai enriquecendo!

Não perca a próxima conversa das APG da Região Sul. Iremos lançar uma profunda análise sobre a temática.

Vamos conversar sobre o Brasil: paraíso dos bancos e do sistema financeiro à miséria destinada ao investimento em ciência e tecnologia.

 

Tags: debatefinanciamentoformaçãoliverentismo