Associação de Pós-Graduandos da UFSC
  • Vitória: Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas Eletrônicos adota Ações Afirmativas

    Publicado em 29/12/2017 às 14:00

    No último edital de seleção para Mestrado, o Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas Eletrônicos da UFSC, em Joinville, incluiu uma política de Ações Afirmativas para o ingresso de estudantes negras, negros e/ou indígenas. Com isso, o PPGESE se uniu a diversos programas em todo o país, incluindo o Programa de Antropologia Social da UFSC, que já possuía ações afirmativas. Enquanto isso, mais programas na UFSC debatem o tema nesse momento e planejam a adoção nos próximos editais.

    Nós, da Associação de Pós-Graduandos (APG-UFSC), saudamos os programas de Antropologia Social e Engenharia de Sistemas Eletrônicos por essa conquista. Sabemos que, mesmo com Ações Afirmativas na graduação, a Universidade ainda é extremamente excludente para estudantes negras, negros e indígenas, em particular na pós-graduação, seja pelo silenciamento de autores e perspectivas, pelo assédio e perseguição de caráter racista, pela falta de bolsas e políticas de permanência. Não é à toa que temos um número extremamente reduzido de docentes negras, negros e indígenas na UFSC. As Ações Afirmativas no ingresso dos nossos cursos são uma das formas de enfrentar o racismo institucional e estrutural.

    Avançar nas políticas de Ações Afirmativas!
    Pintar a Universidade de povo!


  • A APG defende a homologação já para a Terra Indígena Morro dos Cavalos!

    Publicado em 27/12/2017 às 14:00

    Durante novembro e dezembro, a APG esteve construindo a rede de apoio aos guarani do Morro dos Cavalos (Palhoça), junto a outros movimentos sociais, sindicatos, pesquisadores e organizações políticas da nossa região. Estamos em um momento de solidariedade urgente, pela tensão dos ataques sofridos pelos guarani e pelo final do processo de demarcação da terra, que exige de nós uma forte campanha em defesa da homologação já.

    A rede de apoio tem trabalhado junto às lideranças guarani no apoio jurídico, financeiro, organizando ações de divulgação, comunicação, conseguindo recursos e também na segurança. Nós, da APG, também convocamos reuniões de solidariedade aqui na UFSC, onde estiveram presentes mais de 30 estudantes e servidores, conseguindo o apoio de sindicatos da UFSC, de Centros Acadêmicos, montando pontos de doações de alimentos e divulgando a luta no Conselho Universitário e pelo campus. Seguiremos juntas e juntos à luta histórica guarani na região, até a vitória.

    O Morro dos Cavalos é Terra Guarani!

    Homologação já!


  • Em defesa da consulta presencial para Reitoria da UFSC

    Publicado em 18/12/2017 às 16:13

    No dia 28 de novembro de 2017 a Apufsc-Sindical enviou um ofício para o Reitor em exercício da UFSC, Professor Ubaldo Cesar Balthazar, questionando a Resolução Nº 001/COMELEUFSC/2017-18, de 21 de novembro de 2017, que resolve sobre o processo de consulta à comunidade acadêmica para a escolha do próximo Reitor. O conteúdo do ofício expressa divergência com o artigo nº 31, segundo a qual a votação ocorrerá por urnas eletrônicas garantidas junto ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE). O documento feito pela Apufsc-Sindical defende que a consulta deveria se dar por forma online, e não por meio presencial, como tem ocorrido desde 1986 na UFSC.
    A Comissão Eleitoral UFSC (COMELEUFSC) é composta por 6 membros (e seus suplentes), sendo duas representações discentes, duas docentes, e duas dos servidores técnico-administrativos. As representações são indicadas pelas respectivas entidades das categorias. Considerando que uma destas cadeiras é ocupada pela Apufsc-Sindical, repudiamos o desrespeito e o autoritarismo de encaminhar um documento ao reitor questionando a comissão, em vez de expressar estas preocupações por meio dos canais deliberativos da própria comissão. Lembramos que a Apufsc-Sindical estava presente em todas as reuniões realizadas pela comissão eleitoral, inclusive a que aprovou a Resolução em questão. No momento não foi expressa nenhuma divergência quanto à garantia do processo junto ao TRE.

    Buscamos neste texto expressar nossas divergências com o documento lançado pela Apufsc-Sindical. Nosso esforço aqui consiste em responder ponto por ponto, de maneira que fique evidente para a comunidade universitária que a discussão não deve ser tratada de forma somente instrumental, ou como um mero formato de garantir a consulta pública, mas como um aspecto político fundamental no que se refere à democracia universitária. O peso de cada decisão sobre os rumos na UFSC tem uma carga maior se tratando da atual conjuntura nacional e da UFSC. Portanto declaramos nosso compromisso com todo esse debate, que temos construído com seriedade em nossas entidades e junto à comissão eleitoral.

    • Cessão de urnas por parte do TRE

    Segundo a Apufsc-Sindical, “a aprovação do uso das urnas do TRE na consulta pública para reitor da UFSC é incerta justamente pela atividade eleitoral no referido ano. Considerando que a aprovação de uso das urnas eletrônicas do TRE é incerta, tal afirmação não pode constar na Resolução Nº 001/COMELEUFSC/2017 que define as regras da consulta pública em questão”. Os fortes termos utilizados – “não pode constar” – fazem crer que a comissão não tem autonomia para lidar com imprevistos de maneira razoável e corrigir, por meio de novas resoluções, a rota planejada para a consulta. Por enquanto, a resolução estabelece um horizonte prudente e benéfico à comunidade acadêmica, considerando que todas as últimas consultas públicas ocorreram de tal forma. Ao definir o pleito desta maneira, buscamos trabalhar para que ele se efetue. Temos confiança no trabalho da comissão para escolher alternativas caso elas se façam necessárias. No entanto, não há sentido em declarar de antemão que a melhor alternativa está fora de cogitação.

    • Sobre a segurança e a lisura do processo online

    A alternativa que a Apufsc-Sindical oferece, por outro lado, é bastante complicada. O “sistema webcriptografado” que sugerem não garante o voto secreto ou seguro. Os técnicos responsáveis pelas questões tecnológicas da UFSC fazem um excelente trabalho, não temos dúvida, mas seu trabalho não é gerir eleições. Ainda que desse ponto de vista possa ser seguro, a Apufsc-Sindical também afirma que o sistema sugerido é executável a partir de qualquer computador, e isto precisamente é um problema, posto que ele fica extremamente vulnerável a ataques cibernéticos sérios e bem planejados. Além do mais, a não-garantia do voto secreto é um agravante – qual a garantia de que cada pessoa esteja votando por si, e não coagida por outra? – as câmeras dos computadores registrarão a pessoa à frente da tela a cada voto? Ou na mesma sala? Ainda nos últimos meses, a APG tem encampado uma campanha contra o assédio entre orientadores e orientandos na pós-graduação. Não são segredos as diversas relações de assédio que ocorrem cotidianamente na UFSC, e esse tipo de eleição possibilitaria novas formas de violência ou clientelismo.

    • Custos para a universidade

    A democracia tem um custo – e a Apufsc-Sindical parece deixar claro que não está disposta a pagar por ela. É verdade que a democracia envolve muito mais do que eleições; alguns diriam, na verdade, que este é o menos importante de seus atributos. Ainda assim, o que estamos tratando aqui é da consulta pública presencial à toda a comunidade universitária para eleger o próximo Reitor, sendo a consulta uma conquista fundamental da universidade brasileira ao final da Ditadura Civil-Militar.
    O processo que se desenha nesse momento é garantir essa consulta no seu marco histórico, com lisura e debate político como prioridade máxima. Não vemos razão para definir que esta eleição deva ter um padrão de rigidez e controle menor que a consulta sobre o EBSERH ou o que a última consulta para a reitoria.

    • Presença física

    Os custos da democracia não são apenas financeiros e distribuídos; a democracia também exige de cada um de nós participação, vigilância, diálogo – entre outros elementos de uma boa vida comum que se possa citar; de todo modo, cabe a nós dar a devida importância ao processo eleitoral, compreender que conveniências pessoais não valem a legitimidade de todo um processo em meio a tempos tão turbulentos, e fazer o possível para comparecer à votação. Muitas pessoas estão no exterior na data das eleições bianuais regulares; ainda assim, o que fazemos enquanto nação é tentar aproximar as urnas delas por meio das embaixadas, não abrir processos online, que os tornariam muito menos seguros, ainda que muito mais convenientes e “democráticos” no sentido esposado pela nota da Apufsc-Sindical.
    Estamos em uma universidade que funciona prioritariamente de maneira presencial. Afirmar isso não é negar a importante inserção dos membros da comunidade acadêmica em demais espaços nacionais e internacionais referente a atividades de ensino, pesquisa ou extensão. Também não implica negar o reconhecimento dos cursos na modalidade do Ensino à Distância. O que defendemos é que, em momentos de decisão tão importante para os rumos da Universidade, possamos encontrar na disputa política presencial, na qual o voto constitui parte crucial dentro da consulta pública, uma maneira de garantir o aspecto democrático em sua forma mais fundamental.

    Em suma, consideramos que a prioridade para esta consulta à comunidade acadêmica é a certificação que não haja dúvida quanto ao seu resultado, mas principalmente a garantia de que enquanto UFSC tenhamos clareza política da escolha dos rumos desta instituição; que a democracia seja respeitada porquanto ela implique, circunscrita a esse momento específico, o voto secreto e independente. E se isso nos trará custos – enquanto coletividade e indivíduos – tanto melhor, considerando os custos (potencialmente muito maiores) de um processo duvidoso e vulnerável.
    Enquanto entidades representativa das(os) estudantes de graduação e pós-graduação, que constituem cerca de 37 mil dentro do universo de 44 mil votantes, nós, membros do DCE-UFSC e APG-UFSC, declaramos que seguiremos trabalhando para a garantia do voto presencial nesse processo, para que seja assegurado o debate político e a segurança do voto secreto e individual. Não permitiremos nenhum retrocesso embrulhado como “moderno, contemporâneo e ágil”.

    Florianópolis, 18 de dezembro de 2017

    Diretório Central dos Estudantes UFSC- Gestão “Ainda Há Tempo”
    Associação de Pós-Graduandos UFSC- Gestão “Quem Tem Coragem”


  • RESULTADO DAS ELEIÇÕES DA APG 2017/2018

    Publicado em 01/11/2017 às 18:52
    A Comissão Eleitoral da APG referente ao processo eleitoral da gestão para o período de 2017/2018, referendada pela assembleia geral do dia 27/09/2017, vem por meio desta tornar público o resultado da votação realizado na data de ontem, dia 31/10/2017. Seguem abaixo os resultados e o relatório gerado pelo sistema Collecta da UFSC em anexo:
    – Chapa 1 “Quem tem coragem” – 190 votos (84,82%);
    – Nulo – 34 votos (15,18%)
    Conforme estabelecido no item 7.2 do Regimento Eleitoral, que afirma “Para compor a Diretoria da Entidade, será considerada eleita a chapa que obtiver a maioria simples dos votos válidos atribuídos às chapas”, declaramos, portanto, a Chapa 1 – Quem tem coragem, eleita por maioria dos votos.
    Sobre os recursos se estabelece os prazos conforme previsto no Regimento:
    “8.1 O período de submissão de recursos será até o dia 02 de novembro de 2017 às 23h59, devendo ser encaminhados ao e-mail da APG: apgufsc@gmail.com

    8.2 A Comissão Eleitoral dará resposta aos recursos até o dia 03 de novembro até às 22h.”
    Na inexistência de recursos a posse da nova gestão será feita no dia 06/11/2017, às 14h na sede da APG, quando serão encerrados os trabalhos desta comissão.
    Atenciosamente, Comissão Eleitoral da APG – UFSC”

  • Homologação de chapa para Eleição da APG – 2017 – 2018

    Publicado em 16/10/2017 às 21:11

    A Comissão Eleitoral da Associação de Pós-graduandos da Universidade Federal de Santa Catarina (APG/UFSC), considerando o Regimento de convocação das Eleições APG/UFSC para a Gestão 2017-2018, divulgado no dia 27 de setembro de 2017, torna pública a homologação de chapa para o processo eleitoral da APG/UFSC 2017-2018.

    Homologação-Chapa-Eleição-APG


  • Ficha de Inscrição de Chapa

    Publicado em 29/09/2017 às 8:48

    Conforme o Regimento das eleições 2017 -2018 para a APG – UFSC, segue abaixo o modelo de Ficha de inscrição de Chapa.

    Ficha-de-inscrição-de-chapa-da-APG


  • REGIMENTO DE CONVOCAÇÃO DAS ELEIÇÕES APG/UFSC PARA A GESTÃO 2017-2018

    Publicado em 27/09/2017 às 18:30

    Conforme aprovado pela Assembleia de hoje (27), segue abaixo o Regimento que deflagra as eleições da APG, sendo encerrada a atual gestão.

    REGIMENTO DE CONVOCAÇÃO DAS ELEIÇÕES APG 2017


  • Moção APG/UFSC em defesa do CNPq e da produção científica nacional

    Publicado em 15/09/2017 às 13:36

    No dia 1º de setembro, a APG, juntamente com o Comitê de Mobilização da Pós realizou uma Audiência Pública com o Reitor Luiz Carlos Cancellier, o Pró-Reitor de Pós-Graduação, Sérgio Freitas e o Secretário de Planejamento e Orçamento, Vladimir Fey. O objetivo da Audiência, deliberada em Assembleia da Pós foi exigir da Reitoria um posicionamento frente a perspectiva de cortes de bolsas CNPq e frente o contingenciamento de verbas para o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações. A Moção foi lida durante a Audiência e será levada ao Conselho Universitário para ser apreciada e votada.

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    Acesse aqui o documento


  • Nota Pública – Estudantes da Pós/UFSC contra o aumento do RU para terceirizados

    Publicado em 28/06/2017 às 21:05

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    Acesse aqui o documento

     


  • Nota Pública APG/UFSC: posicionamento estudantil da pós-graduação frente a Greve Geral de 30 de Junho/17

    Publicado em 27/06/2017 às 17:41

    Acesse aqui a nota